A Sobrice

A Sobrice é o departamento de Intervenção do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR).

A entidade congrega os médicos intervencionistas, especialistas em Diagnóstico por Imagem com Atuação Exclusiva em Radiologia Intervencionista e Angiorradiologia, além de médicos de outras especialidades e outros profissionais da área da saúde com afinidade às técnicas intervencionistas percutâneas e endovasculares.

Diretoria

Conheça os médicos que fazem parte do órgão administrativo da Sobrice

Estatuto

Saiba mais sobre as principais funções da Sociedade

Sociedade Afins

Confira quais são as organizações parceiras da Sobrice

Histórico

A Sobrice nasce do Clube dos Angiografistas, um encontro científico informal entre profissionais da área para discutir casos clínicos.

E é este espírito que a associação, fundada em 1997, mantém ao conectar os médicos intervencionistas, promovendo o intercâmbio de experiências, a inovação das práticas e a divulgação da radiologia intervencionista junto à sociedade.

Radiologia Intervencionista em constante desenvolvimento

O entendimento de muitas doenças tem sido cada vez mais rápida, precisa e segura com as evoluções tecnológicas no diagnóstico por imagem.

Somado a isso, a capacitação profissional dos médicos da área tem impulsionado grandes mudanças na abordagem terapêutica dessas enfermidades.

Novos campos de atuação acabaram surgindo devido à relação entre as especialidades médicas mais tradicionais, como a Radiologia ou o Diagnóstico por Imagem e a Cirurgia Vascular.

E, dessa junção, nasceu a Radiologia Intervencionista, uma especialidade híbrida em constante desenvolvimento. Com práticas menos invasivas e traumáticas, ela é responsável por realizar diagnósticos e tratamentos utilizando equipamentos geradores de imagens, por meio de acessos vasculares ou percutâneos diretos para acesso aos diversos órgãos.

A Sobrice tem concentrado seus esforços na elaboração de atividades científicas que divulguem ainda mais a difusão da Radiologia Intervencionista e da Cirurgia Endovascular. Isso porque os procedimentos facilitam a recuperação do paciente, podem ser realizados até mesmo em pessoas mais debilitadas, com menor tempo de internação e baixa taxa de complicações.

Uma forma de propagar essas informações detalhadas e com exemplos na prática são os diversos encontros organizados e promovidos ano após ano em busca de evolução, principalmente na questão de qualidade científica.