Câncer de fígado

Câncer de fígado

Sistemas:DigestórioProcedimentos:BiopsiaAblaçãoAngiografiaEmbolização em oncologiaDrenagemShunt portossistêmico intra-hepático via transjugularProcedimentos biliares

Visão geral

Câncer de fígado refere-se a crescimento celular descontrolado para dentro ou sobre a superfície do fígado. O câncer de fígado é o terceiro tipo mais comum de câncer em todo o mundo.

Câncer primário do fígado significa que o tumor começou no fígado e seu tipo mais comum é chamado de carcinoma hepatocelular (CHC). Os pacientes que têm doença hepática crônica subjacente (tais como hepatite crônica B ou C, ou condições causadas por abuso de álcool ou de uma acumulação excessiva de ferro) e desenvolvem cirrose (cicatrização do fígado) são mais propensos a sofrer com esse tipo de câncer.

Quando células cancerígenas de outras partes do corpo se espalham e se alojam no fígado, ocorre doença metastática no fígado.

Sintomas

Geralmente, tumores hepáticos são descobertos durante exames de rotina, ou quando causam sintomas por causa de seu tamanho ou localização. Os sintomas mais comuns incluem: fraqueza, fadiga, perda de peso e perda de apetite. Outros possíveis sintomas são: febre, suores noturnos e dor no abdômen, que ocorrem com menos frequência.

Os pacientes com doença hepática crônica geralmente têm sintomas de cirrose avançada, tais como: icterícia (ou seja, a pele e o branco dos seus olhos ficam amarelados);coceira; aumento do baço; perda de peso severa; fraqueza; bem como sangramento no trato gastrointestinal superior, causado quando o sangue é extravasadopara o intestino através dos vasos sanguíneos no estômago e esôfago, que estão dilatados (varizes).

Diagnóstico

Há uma série de técnicas que o seu médico pode usar para diagnosticar câncer de fígado e determinar a sua gravidade (chamado de estadiamento), incluindo procedimentos de imagem, como ultrassom, tomografia computadorizada e ressonância magnética.

Em alguns casos, uma biópsia será necessária para determinar o tipo exato de câncer e para avaliar a sua agressividade. Nesses casos, são comumente realizadas técnicas minimamente invasivas, guiadas por imagem, que envolvem a inserção de uma agulha,através da parede abdominal,diretamente na área comprometida do fígado.

Outras opções específicas estão disponíveis dependendo do tipo exato de câncer de fígado envolvido, tais como testes de sangue para marcadores tumorais (alfa-fetoproteína) ou usando técnicas de imagem.

Tratamento

Tanto a cirurgia tradicional como as técnicas intervencionistas desempenham um papel no tratamento de câncer de fígado. Se você tem CHC, as opções cirúrgicas incluem a remoção de todo ofígado,ou parte dele, bem como o transplante do órgão. No entanto, muitos pacientes não se qualificam para esse tratamento por várias razões.

Alternativas intervencionistas incluem várias técnicas de ablação percutânea térmica, o que significa que uma agulha é inserida no tumor no fígado, sob orientação de imagem, por meio da qual temperaturas extremas são empregadas para destruir o tumor.

Tipos de técnicas de ablação térmica percutâneas incluem: ablação por radiofrequência (que utiliza energia de radiofrequência), ablação por micro-ondas (utilizando o calor de micro-ondas), ou a electroporação (usando um campo elétrico potente,gerado porcorrente elétrica de alta tensão).

Em alguns casos, o tumor do fígado tem um número anormalmente elevado de vasos sanguíneos ligados a ele. Isso aumenta o risco de hemorragia, tornando mais difícil remover o tumor. Um tratamento chamado quimioembolização transarterial pode controlar esses tumores. Nesse procedimento, um radiologista intervencionista injeta uma dose elevada de um quimioterápicoassociado a partículas embolizantes para matar o câncer diretamente no local do tumor.

Outro tratamento possível é a radioembolização, uma técnica similar à quimioembolização transarterial, que é usada para aumentar a sobrevida dos pacientes. Durante esse procedimento, um radiologista intervencionista injeta microesferas radioativas diretamente em tumores, uma abordagem específica que lhes destrói ou retarda a sua taxa de crescimento.