Doença vascular periférica

Doença vascular periférica

Sistemas:CirculatórioProcedimentos:AngiografiaAngioplastia e colocação de stentTratamento endovascular de malformações arteriovenosasTrombectomiaTrombóliseTratamento endovascular de aneurismas periféricos

Visão geral

Doença vascular periférica (DVP) normalmente se refere ao estreitamento ou obstrução da luz dos vasos que levam sangue para as pernas (as artérias). Esse processo é lento e tem uma evolução que dura vários anos. A maioria dos casos é causadapor aterosclerose, a mesma doença que afeta os vasos sanguíneos do coração e do cérebro.

Sintomas

A maioria dos pacientes com DVP experimenta queimação e dor nos músculos da perna durante a caminhada, que é aliviada pelas pausas no andar (isso é conhecido como claudicação intermitente). Em casos mais graves, os pacientes podem sentir dor enquanto descansam. O tipo mais grave de DVP provoca úlceras nos pés ou a morte da pele (gangrena).

Diagnóstico

O seu médico irá diagnosticar a DVP pela medida da pressão arterial nas pernas, comparando-a com a pressão em seus braços (conhecido como o índice tornozelo/braço, ou ITB). Você pode precisar se submeter a um exame de imagem dos vasos sanguíneos para documentar o local e a gravidade do estreitamento ou obstrução. Isso é chamado de angiograma e pode ser feito usando técnicas de imagem, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética. Você também pode ser submetido a um exame chamado angiografia digital por subtração (ADS), que envolve injetarcontraste diretamente em seus vasos sanguíneos.

Tratamento

O tratamento inicial é baseado em seu estilo de vida e nos fatores de risco envolvidos, como programas de caminhada, parar de fumar e controlar o diabetes.

Se essas medidas não ajudá-lo, você pode precisar de tratadar o estreitamento na luz do vaso. Abordagens minimamente invasivas (também conhecidas como abordagens endovasculares) usam minúsculos balões e stents para dilatar e restaurar o fluxo de sangue por meio de um pequeno furo na artéria. Outro tratamento possível é a cirurgia, que pode limpar o interior da artéria (um processo chamado endarterectomia), ou ignorar o bloqueio usando uma veia ou material protético.