Obstrução urinária

Obstrução urinária

Sistemas:Genito-urinárioProcedimentos:Embolização de traumaEmbolização em oncologiaEmbolização de hemorragiaDrenagemEmbolização de artérias prostáticas

Visão geral

Seus rins produzem urina, que é drenadapelos ureteres para a bexiga, para que possa deixar o corpo. Se houver um bloqueio desse sistema de drenagem, a urina para efica sob pressão, o que poderia, potencialmente, causar danos aos rins. Essa condição é chamada uropatia obstrutiva. Você pode ter nascido com ela ou pode desenvolvê-laao longo da vida.

Sintomas

Você pode experimentar infecções repetidas, dor nas costas, sob suas costelas e sangue na urina. Se os seus rins pararam de funcionar, você pode sentir náuseas.

Diagnóstico

O ultrassom é o primeiro teste, na maioria dos casos. Se sua condição é causada por pedras na bexiga ou rins, o médico pode usar raios-X ou tomografia computadorizada, sem contraste.Tomografia computadorizada com contrastepode ser usada para procurar outras causas da condição, como um tumor. Ressonância magnética e medicina nuclear, ocasionalmente, desempenham um papel no diagnóstico.

Tratamento

O tratamento que você receberá depende da causa da uropatia obstrutiva. Se o bloqueio é grave e a saúde do seu rim está comprometida, o bloqueio será drenado através da pele por um tubo inserido em seu rim (este procedimento é chamado nefrostomia), ou um tubo interno (cateter duplo J).

Por vezes, o bloqueio pode ser aliviado através da uretra e da bexiga (cistostomia). As pedras podem ser removidas através da pele, da bexiga e por cirurgia aberta. Se você tem um tumor, pode ser necessário cirurgia ou radioterapia para remover o bloqueio.

O bloqueiotambém pode ser crônico,como na hiperplasia prostática benigna, condição em que a próstata aumenta de volume, dificultando a passagem de urina pela uretra (canal da urina que passa no interior da próstata) e causando sintomas que pioram muito a qualidade de vida dos pacientes (paciente acorda inúmeras vezes durante a noite para ir ao banheiro urinar). Existem técnicas cirúrgicas que permitem tratar a hiperplasia prostática, como a prostatectomia (cirurgia com a retirada da próstata) e a ressecção transuretral – RTU (que consiste na raspagem do canal da próstata, criando um túnel para passagem da urina). Uma moderna técnica intervencionista tem crescido muito devido ao seu caráter minimamente invasivo (sem cortes e com baixas taxas de complicações) e aos excelentes resultados, com melhora significativa dos sintomas, chamada embolização das artérias prostáticas (EAP). Na EAP, o radiologista intervencionista insere um cateter na artéria da virilha e navega pelo interior dos vasos sanguíneos, sob fluoroscopia, até as artérias que nutrem a próstata. Uma vez confirmado que o problema está nessas artérias, o intervencionista injeta microesferas que obstruem o fluxo sanguíneo, fazendo com que a próstata diminua de tamanho, melhorando os sintomas.