Malformações vasculares

Malformações vasculares

Sistemas:CirculatórioProcedimentos:AngiografiaEmbolização de hemorragiaTratamento endovascular de malformações arteriovenosas

Visão geral

Malformações vasculares são agrupamentos anormais de vasos sanguíneos que se desenvolvem enquanto o feto está no útero. Há um número de diferentes tipos de malformações vasculares: as venosas são veias que se desenvolvem de forma anormal e são a forma mais comum das malformações vasculares; as linfáticas são coleções semelhantes a esponjas, de crescimentos anormais, que contêm líquido claro; asvenolinfáticas são malformações vasculares que afetam as veias e os vasos linfáticos, resultando em cistos ou varizes; as arteriovenosas são conexões anormais entre artérias e veias.

Embora todas as formas de malformação vascular sejam congênitas (presentes desde o nascimento), podem levar semanas ou até anos para se tornarem perceptíveis.

Sintomas

O sintoma mais comum é a dor. Dependendo da localização da malformação vascular, os doentes podem apresentar outros sintomas, tais como sinais de nascença e inchaço dos membros. Se o paciente tem uma malformação linfática, processos infecciosos podem causar complicações. Em alguns casos, as malformações arteriovenosas podem causar efeitos sobre o coração, exigindo que o coração trabalhe mais, ou causar complicações hemorrágicas. Os pacientes com malformação arteriovenosa pulmonar podem experimentar sintomas tais como falta de ar, fadiga e tosse.

Diagnóstico

Muitas vezes, malformações vasculares são visíveis em um exame físico. Se houver lesões vasculares superficiais, elas podem ser avaliadas com ultrassons; mas, para as lesões mais profundas, o ultrassom é limitado nas informações que pode proporcionar. Ultrassom com Doppler pode ser usado para mostrar o fluxo ea velocidade do sangue.

A ressonância magnética(RM) é a ferramenta diagnóstica mais útil para avaliar as malformações vasculares, pois pode mostrar a localização exata do núcleo da malformação vascular (conhecido como nidus), medida da extensãoe se ela está ligadaaos vasos circundantes. RM também pode ser usada para obter informação sobre o fluxo sanguíneo nessas lesões e é útil para avaliar o sucesso do tratamento durante o seguimento.

Procedimentos minimamente invasivos incluem flebografia e angiografia, são realizados sob fluoroscopia e com injeção de contraste para auxiliar a visualização das malformações vasculares. Essas técnicas são normalmente realizadas antes de tratamentos como escleroterapia e embolizações.

Tratamento

O tratamento conservador é uma boa opção para pacientes com sintomas leves. Nem sempre é viável para o paciente remover cirurgicamente as malformações vasculares, e este tratamento tem uma elevada taxa de recorrência.

Intervenções minimamente invasivas, guiadas por imagem, realizadas por radiologistas intervencionistas, são o tratamento de escolha para malformações vasculares. Essas técnicas incluem a embolização e a escleroterapia e são realizadas sob fluoroscopia. Durante esses procedimentos, o radiologista intervencionista irá guiar um cateter até a malformação vascular e, em seguida, injetar álcool, cola ou pequenas partículas para obstruir os vasos circundantes. O objetivo do procedimento é destruir o núcleo da malformação, e o êxito do procedimento vai ser confirmado com a utilização da angiografia. Os pacientes recebem uma anestesia local para a realização desses procedimentos e tendem a ser hospitalizados por um dia. Eles podem sentir um desconforto mínimo por alguns dias.