Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular

Embolia Balística Venosa Retrógrada Transtorácica

AUTORES

Alexandre de Tarso Machado, Tulio Pinho Navarro, Ricardo Jayme Procópio
Departamento de Cirurgia Vascular e Endovascular do Hospital das Clínicas da UFMG - MG


RELATO DE CASO

Homem, 30 anos, vítima de trauma por arma de fogo, com múltiplos disparos na região do tórax, admitido no Pronto Atendimento com instabilidade hemodinâmica. Após reposição volêmica, foi realizada tomografia de tórax que evidenciou projétil em ápice cardíaco (Figura 1), sendo indicado tratamento cirúrgico.

Foi submetido à toracotomia na qual foi possível localizar por palpação projétil dentro do ventrículo direito, mas sem evidências de lesões cardíacas. Após a palpação houve deslocamento acidental do projétil para veia cava inferior retro-hepática confirmada por RX de tórax (Figura 2). No dia seguinte o artefato tinha se deslocado novamente, dessa vez para a pelve (Figura 3).

Nesse momento indicou-se a retirada do embolo por técnicas endovasculares. O procedimento pode ser resumido nas seguintes etapas:
  1. 1) Flebografia pélvica: projétil alojado em veia ilíaca interna direita (Figura 4)
  2. 2) Captura do projétil com cateter tipo cesta (basket), que foi então tracionado até o local da punção (Figura 5)
  3. 3) Acesso cirúrgico aos vasos femorais (Figura 6)
  4. 4) Flebotomia transversa com retirada do projétil (Figuras 7 e 8).

FIGURAS














 
DISCUSSÃO

Fenômeno de ocorrência rara mas, que deve ser considerado nos casos em que os pacientes apresentam orifício de entrada de arma de fogo sem orifício de saída correspondente e o projétil não é observado radiograficamente na localização esperada. Geralmente assintomático, mas quando presentes, os sintomas dependem da localização do êmbolo e da associação com complicações a ele relacionadas.

A migração depende de fatores como gravidade, tamanho e forma do corpo estranho e calibre dos vasos.

A embolização venosa retrógrada é bastante rara (0-7% dos casos) e seu tratamento é ainda controverso (conservador X cirúrgico). A abordagem endovascular tem se destacado como modalidade terapêutica para essa condição, sendo considerada como primeira opção de tratamento para êmbolos móveis, sendo a técnica mais freqüentemente utilizada, a remoção percutânea por cateteres do tipo cesta (basket)ou laço (snare).



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Nagy KK, Massad M, Fildes J. Missile embolization revisited: rationale for selective management. Am Surg. 1994;60:975-79.

2. Starling SV, Maia E, Drumond DAF. Embolo balístico na artéria pulmonar. Trauma. 2007;3:73-98.

3. Demirkilic U, Yilmaz AT, Tatar H, Ozturk OY. Case report - Vascular thoracic Bullet embolism to the pulmonary artery. Interactive Cardiovascular and Thoracic Surgery. 2004;3:356–58.

4. Cysne E, Souza EG, Freitas E, Machado E, Giameroni R, Alves LPR, Teixeira AS, LaBrunie P. Bullet Embolism into the Cardiovascular System. Presented at the Denton A. Cooley Cardiovascular Surgical Society Eighth Annual Meeting, Rio de Janeiro, Brazil. 1981;9:75-80.

5. Bining HJ. Venous bullet embolism to the right ventricle. Br J Radiol. 2007;80:296-8.

6. Chen JJ, Mirvis SE, Shanmuganathan H. MDCT diagnosis and endovascular management of bullet embolization to the heart. Am Soc Emergency Radiol. 2007;14:127-30.

7. Padula RT, Sandler SC, Camishion RC. Delayed Bullet Embolization to the Heart Following Abdominal Gunshot Wound. Annals of Surgery. 1969;169(4):599-602.

8. Symbas PN, Harlaftis N. Bullet Emboli in the Pulmonary and Systemic Arteries. Ann. Stirg. 1977;185(3):318-20.

9. Dato GMA, Arslanian A, Di Marzio P, Filosso PL, Ruffini E. Posttraumatic and iatrogenic foreign bodies in the heart: Report of fourteen cases and review of literature. J Thorac Cardiovasc Surg. 2003;126:408-14.

10. Saltzstein EC, Freeark RJ. Bullet Embolism to the Right Auxiliary Artery Following Gunshot Wound of the Heart. Annals of Surgery. 1963;158(1):65-69.

11. Nguyen R. Gunshot wounds to the chest with arterial bullet embolization. Ann Vasc Surg. 2006;20:780-3.

12. Schmelzer V, Mendez-Picon G, Gervin AS. Case report: Transthoracic retrograde venous bullet embolization. J Trauma. 1989;29:525-7.

13. Bertoldo U, Enrichens F, Comba A, Ghiselli G, Vaccarisi S, Ferraris M. Retrograde Venous Bullet Embolism: A Rare Occurrence - Case Report and Literature Review. J Trauma. 2004;57:187-92.

14. Garzon A, Gliedmian M. Peripheral Embolization of a Bullet Following Perforation of the Thoracic Aorta. Annals of Surgery. 1964;160(5):901-4.

15. Ntlhe LM. Missile embolism – pulmonary vein to systemic bullet embolism: a case report and review of the literature. S Afr J Surg. 2008;46:58-60.

 
Data de Publicação: 11/06/2014