Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular

Biópsia guiada por imagem


.

O que é biópsia guiada por imagem?

Uma biópsia guiada por imagem tem como objetivo fornecer informações de diagnóstico através da obtenção de uma amostra de tecido usando imagens para navegar até o local de interesse. O radiologista intervencionista irá executar esse procedimento utilizando agulhas de corte especiais que estão disponíveis numa variedade de diâmetros e comprimentos. O tecido recolhido, normalmente, será examinado sob um microscópio por um patologista; também pode ser analisado por imunohistoquímica, imunofluorescência e estudo genético.
 

Como é feita a biópsia?

Se você estiver utilizando qualquer medicação que impede a coagulação do sangue, você vai, se possível, parar de tomá-lo antes do procedimento (deve consultar o médico que prescreveu para saber se isso é possível).
Você não deve comer nada durante pelo menos 4 horas antes de iniciar o processo. Você pode ser solicitado a jejuar por mais tempo, dependendo da punção e da complexidade do seu caso particular. Antes do procedimento, o radiologista intervencionista normalmente colocará uma agulha na sua veia do braço para facilitar a administração de medicação durante o procedimento.
O radiologista intervencionista pode usar um ou vários métodos de imagem para orientação, para planejar e monitorar a colocação da agulha durante o procedimento de retirada do material, incluindo ultrassom, tomografia computadorizada, ressonância magnética e fluoroscopia. Isso depende da localização e da natureza da lesão.
A maioria dos procedimentos de biópsia é realizada sob anestesia local ou sedação consciente, para que você permaneça acordado, mas não perceba a dor. Você pode ser solicitado a tomar antibióticos previamente para reduzir o risco de infecção, mas isso é raro. Você vai se deitar durante o procedimento - a posição exata que você será solicitado a permanecer vai depender da via de acesso que o radiologista intervencionista irá utilizar para abordar, com segurança, a lesão.
O processo vai ser realizado num ambiente estéril e seguro. O radiologista intervencionista vai escolher qual o tipo de agulha a usar de acordo com o tipo de órgão e tecido que precisa ser retirado, como ossos, tecidos moles, pulmão, etc. O intervencionista inserirá a agulha e a guiará por meio de imagens, até que a ponta da agulha possa ser vista no interior da lesão.
Uma biópsia guiada por imagem pode ser realizada no paciente internado ou em ambulatório. O local da punção e seus sinais vitais serão monitorados por 4-6 horas após o procedimento. Você vai experimentar algum desconforto leve ao redor do local da punção durante esse tempo. Se você passar por uma biópsia pulmonar, você poderá ser submetido a uma radiografia de tórax 6-8 horas após o procedimento, caso tenha dor ou falta de ar, para garantir que nenhum ar foi preso na cavidade entre a sua parede torácica e os pulmões (pneumotórax). Na maioria dos casos, você terá permissão para beber água algumas horas após o procedimento de biópsia.
 

Por que fazer isso?

Se você tem uma lesão e seu médico necessita de mais informações para fazer um diagnóstico, poderá ser encaminhado para uma biópsia guiada por imagem.
Há uma série de fatores que pode tornar o procedimento inadequado para você, incluindo se você tem um distúrbio de coagulação do sangue, se não houver uma rota segura para o radiologista intervencionista acessar a lesão, ou se você já tenha sido diagnosticado utilizando outros procedimentos, tais como diagnóstico radiológico.
A taxa de sucesso do processo de biópsia pode variar, dependendo da localização da lesão e do tipo de agulha utilizada. Orientação de imagem é usada para confirmar que a agulha é colocada corretamente no interior da lesão e para ajudar a evitar complicações.
 

Quais são os riscos?

Se o radiologista intervencionista usa uma agulha do osso pequeno, a taxa de complicações é baixa. As complicações mais comuns são hematomas e infecção. Se você já fez uma biópsia do pulmão, há risco de pneumotórax.